Notícias

Cachorro, esporte e adrenalina: a receita de Iury contra depressão

1
Foto Iuri Carvalho

Quem nunca ouviu dizer que o cão é o melhor amigo do homem? Esse ditado popular é vivido por Iury Carvalho e Guz. “Uma relação de pai e filho”, assim é como Juliana Passos, namorada de Iury, descreve a dupla. O companheiro de todas as horas do estudante de veterinária, é um cachorro da raça border collie, e acompanha seus donos em todas as aventuras esportivas. O trio sempre busca os esportes radicais para quebrar a rotina, o que ajudou a tratar uma crise depressiva do Iury.
Há oito anos, Iury Carvalho enfrentou uma crise depressiva, e mesmo com medicamentos e terapias, a superação foi dolorosa, segundo ele. Com o agravo da situação, Guz foi a solução para a doença. Além dessa ajuda, o cão levou o dono a um cotidiano regado a esportes, por se tratar de uma raça ativa, inspirou o pai Iury a mudança completa de vida.

2

– Tive uma forte crise depressiva que mexeu com toda a estrutura da família. Nenhum dos tratamentos possíveis aliviavam as crises de agressividade e baixa auto-estima. Um amigo meu, sabendo do amor que tinha por animais, conseguiu contato do único criador de Border Collie da cidade. Esta raça é considerada a mais inteligente do mundo, específica para pastoreio de ovelhas, porem habilidoso em comportamento e companhia.

Guz faz caiaque, natação, remada, patins, kart, corridas de trilhas, caminhadas em mata fechada e todas as atividades realizadas pelo casal Juliana e Iury. Quando Iury decide “brincar nos céus de Rondônia” seu filho e melhor amigo o aguarda ansioso no chão, e só não voa com o pai pois o casal ainda não encontrou a cadeirinha adaptada para o Guz.

– Ele fica louco quando o Iury salta, e mesmo com vários paraquedistas, ele sabe quem é o pai dele no ar. Quando chega mais perto do chão ele corre para recebê-lo com maior festa. Queremos que ele participe dos saltos, mas é necessário uma espécie de cadeira adaptada para esse tipo de salto e não a encontramos ainda – comenta Juliana.

Além da festa em terra enquanto Iury salta, Guz ama as aventuras aquáticas como canoagem, remo e natação. O “cãopanheiro”, como é chamado pelo casal, completou sete anos em outubro, e desde pequeno é ativo nas atividades da família.

Iury Carvalho comenta que todas as programações são pensadas para que Guz não fique de fora, desde os passeios em família, até a prática de esportes, das mais simples, como caminhada, até as mais inusitadas, como remar no Rio Madeira enquanto os botos saltam ao lado.

– Iniciei atividades esportivas por causa dele e percebi que Guz podia participar de alguns passeios aventureiros, como trilha em matas fechadas, corridas aleatórias, passeios de lancha nos rios, e como sempre, ele segue confiante na proa da barco pegando aquele ventinho no rosto que ele tanto gosta. Outra coisa que ele gosta muito é remar em caiaque, andamos muito no Rio Madeira, onde os botos nos acompanham dando saltos, coisa que o Guz fica louco. Nadar nos rios e lagos são atividades que ele participa como brincadeira.

Morando em apartamento, alguns estragos foram inevitáveis, como a mesa de madeira que foi toda comida pelo até então filhote. Iury relembra também dos momentos mais difíceis da crise, em que seu companheiro esteve presente auxiliando na recuperação da depressão, e como se entendesse as dificuldades, começou a transformar a tristeza em alegria.

– Ele conseguia perceber os momentos difíceis que eu ainda passava, apenas se repousando ao meu lado como se dissesse “tudo vai ficar bem, estou ao seu lado”. A energia que ele me transmitia era claramente sentida por mim nestes momentos. Hoje tenho certeza que ele aprendeu a conviver, em um espaço inadequado e desconfortável para ele por dois anos, que era o apartamento, e ainda obedecia sem fazer bagunças para não incomodar meus pais.

Vendo que o apartamento para seu filho e companheiro estava pequeno, resolveu mudar para uma casa com espaço maior, Iury diz que devia isso para o Guz que sempre respeitou a casa dos ‘avós’. A mudança de casa foi acompanhada das atividades físicas.

– A capacidade de entendimento dele sempre me surpreendeu, e surpreende até hoje. Mas a principal mesmo foi transformar meu sentimentos ruins em alegrias de todos os dias vê-lo pela manhã e noite quando chegava do trabalho. Ele é um animal de companhia que traz paz e positividade para mim, transformando vidas vazias em conforto que enche os dias com amor. O Guz conseguiu isso, mudou e transformou nossas vidas.

Iury Carvalho, Juliana Passo e Guz Carvalho em mais uma aventura em família (Foto: Iury Carvalho/ arquivo pessoal )

A dupla inseparável ganhou uma companheira, Juliana Passos, namorada do Iury  completou a festa, como diz Iury.

– Quando a minha namorada Juliana chegou na minha vida ela logo se apaixonou pelo Guz, e como é do feitio dele, ser sociável e amável com todos que gostam de animais, viraram mãe e filho. E por ser professora infantil, inseriu nosso filho em seu trabalho, então visitamos escolas mostrando para elas os cuidados com os animais, sendo ele a grande celebridade para as crianças.

Juliana comenta que quando conheceu Guz houve um amor instantâneo. A educação e o espírito aventureiro do cão encantou a professora, que trabalha com a inclusão de crianças com deficiências em aulas de educação física nas escolas municipais, e também já entrou nesse trabalho para ajudá-la.

3
– Não só companheiro de vida e aventuras, ele também me ajuda em meu trabalho, e as crianças amam. A terapia assistida por animais é uma atividade de grandes resultados. Aos poucos vamos inserindo isso no nosso dia a dia e já percebemos melhora.

Juliana ainda destaca que não há uma palavra que defina o Guz, pois não se imagina sem ele, e que onde chegam com o cãopanheiro todos já fazem festa. E nos dias em que o filho fica em casa, todos perguntam por ele.

Todo esse relacionamento é destacada por Iury como um presente que a vida proporcionou para sua cura, inclusive a prática de esportes. Também foi com sua convivência com o Guz que direcionou a escolha profissional do Iury que está no sétimo período de medicina veterinária.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/ 07.12.16

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *