Artigo Notícias

O cão como fator de proteção de risco

Chegamos ao mês do Setembro Amarelo e o assunto é a prevenção ao suicídio. Sou Maurício Pinzkoski, líder do Movimento Vai Totó e vim aqui para falar sobre uma possível solução e não de dados estatísticos alarmantes que devem sim ser referidos, mas que prefiro focar na solução.

Muitos cães vivem, a cada dia mais, com pessoas em casas e apartamentos e mesmo assim os números de suicídio avançam principalmente em capitais. São crianças, jovens, adultos e idosos com os mais variados motivos para atentar contra a própria vida. O mês Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015 que promove eventos com o objetivo de debater o suicídio e divulgar o tema alertando a população sobre a importância de sua discussão.

Mas se a proposta é falar sobre como os cães podem ajudar a diminuir esses números então vamos falar sobre eles. Nós, pessoas comuns, precisamos de motivos para viver. Pode ser o trabalho, família, desafios que impomos em nosso cotidiano ou só um cachorrinho. Não importa que tipo de motivo, mas precisamos ter ao menos um para seguir em frente.

Nesse momento entra o meu cachorro Magrão. Foi em 2012 que minha experiência com o canicross (também conhecida como corrida com cachorro) começou. O motivo? A perda do meu pai que quase me levou à depressão. E já que eu estava acima do peso, meu cão destruindo a casa e enfrentando “essa fase difícil”, fui ao parque para tentar melhorar. Caminhava e tentava pensar só no meu cachorro e naquele lugar que eu queria poder apreciar. Fui num dia, “matei” o outro, mas persisti. Quando vi já estava cansando meu corpo e descansando minha cabeça através da corrida com cachorro por causa do meu Magrão. Pronto, tinha descoberto um remédio.

E desde então sigo plantando as sementes do Movimento Vai Totó que promovem a qualidade de vida animal e o bem-estar humano através do esporte canicross e de outras práticas como turismo pet e eventos em que socializamos, saímos da nossa “casca de proteção” e encontramos razões para seguir em frente vivendo bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *